Publicado em:sexta-feira, 10 de março de 2017
Postado por Josimar Nunes

Moradores de rua evitam abrigo para não abandonar cachorros

Os cachorrinhos Thor e Magrela são tratados como filhos por Maria Aparecida Siqueira (38) e seu companheiro Valdir Almeida da Silva (27), casal que vive no canteiro central da avenida Atiliano de Moura, no bairro Patriolino Ribeiro, em Fortaleza. Para Maria, o carinho dado aos dois animais supre a ausência que sente dos filhos de 10 e 16 anos, que moram em Pernambuco com familiares. Nesta semana, os moradores de rua tiveram os pertences levados pela Prefeitura de Fortaleza, através de fiscais da Secretaria Executiva Regional II (SER II). 

A Prefeitura de Fortaleza afirma que o casal ocupa o canteiro de forma irregular e já ofereceu “diversas possibilidades de atendimento no âmbito da assistência social, tais como o acolhimento institucional na Unidade de Famílias na Parangaba, como também na Pousada Social, além da inscrição dos mesmos no Programa Aluguel Social, do Município de Fortaleza”, explica a SER II, em nota ao CNEWS. A resistência se deve ao fato de o casal se negar a abandonar os animais, que não podem ficar nos centros de atendimento. 

“Não posso dormir, não posso ficar coberta, enquanto eles [cachorros] ficam no frio”, disse Maria Aparecida.

A cada abordagem dos fiscais do município, os bens da família são levados. Nesta semana, pela quarta vez, os pertences de Maria e Valdir foram recolhidos. De acordo com Valdir Almeida, levaram o carrinho de coleta, alimentos, barraca, roupas e panelas. “Deixaram a gente só com a roupa que a gente estava vestindo”, comentou. E desta vez um agravante: O casal não estava no canteiro quando os fiscais chegaram para recolher os objetos da família. 

Sobre o recolhimento, a Secretaria Regional II informou em nota que está “cumprindo com suas obrigações legais e respondendo a denúncias de ocupação irregular do espaço público”. Porém, o casal não entende a origem das denúncias, uma vez que os moradores do entorno sempre os ajudam com roupas, alimentos e outras doações. “Quando pegaram nossas coisas dessa vez, foram eles que disseram pra gente”, comentou Valdir. 

Devido ao problema causado pela ação dos fiscais, o Núcleo de Direitos Humanos e Ações Coletivas (NDHAC) da Defensoria, abriu uma ação de indenização por danos morais e materiais contra o município de Fortaleza, requerendo o valor de R$ 20 mil para cada um dos catadores.

Postado por Josimar Nunes on 06:41. Tópicos .

0 comentários for "Moradores de rua evitam abrigo para não abandonar cachorros"

PARABÉNS UMIRIM

PARABÉNS UMIRIM

ESPAÇO FEMININO

Total de Acessos

Mural de recados

ANUNCIE CONOSCO

ANUNCIE CONOSCO
Farmácia Leve Mais

Mais acessadas

LEIA A BÍBLIA